O ato pacífico, contou com dezenas de apoiadores e representantes das causas

Na 4ª Sessão Ordinária, dia 30 de novembro, a Câmara recebeu atos de protesto contra a LGBTQIfobia e Racismo, além de atos pacíficos de apoio à Vereadora Perpétua Dantas, que sempre defendeu essas pautas e sempre lutou para efetivação de Políticas Públicas voltadas à esse público.

A Vereadora discursou, em sua vez de fala, sobre reflexões de sua trajetória. Cumprimentando as pessoas que estiveram presentes na casa, acompanhando a sessão, a parlamentar dedicou suas palavras aos eleitores e eleitoras, aos que não votaram nela, mas confiam em seu mandato e aos representantes dos Movimentos Sociais, às pessoas LGBTQIA+, aos integrantes dos Povos de Terreiros, todas as pessoas que lutam por igualdade racial e todas as pessoas sensíveis a essas pautas que estavam presentes. Perpétua falou do sentimento de ser Vereadora: “de Mulher, atleta, professora, advogada, filha, irmã, mãe, cidadã e vereadora. Quero dizer que tenho orgulho de chegar a essa casa, trazida pelos votos das pessoas que sabiam de minha história de vida, da minha militância nas áreas da cidade que não passam nos programas eleitorais. Sou filha de pais trabalhadores, morei na periferia, na Vila Padre Inácio, antigo mutirão, tenho na minha bagagem a compreensão da vida da periferia onde campeia a desigualdade social”, falou.

A Vereadora, que dedicou sua vida a advocacia popular e a educação voltada para a função social do direito, no atendimento as pessoas pobres e na vida profissional, sentiu a necessidade da garantia de direitos e a firmação desses direitos dos segmentos sociais dos quais abraçou, vivendo e conhecendo profundamente a realidade dos que estão submetidos a vulnerabilidade e da qual norteia a sua vida profissional e consequentemente a de vereadora.
Ainda na sua fala, Perpétua citou suas emendas para LOA e PPA que apesar de terem sido aprovadas pelas comissões da casa, sendo constitucionais e legais, foram rejeitadas nas votações pelos edis.

A Vereadora falou sobre a importância da liberdade, mas também da importância da reflexão sobre as escolhas. “nós precisamos construir pontes e rever nossas posturas e mesmo reconhecendo o direito de liberdade, de votação, de expressão, opinião, precisamos mostrar a população de que essa casa contribui para a construção de políticas públicas. Sou muito otimista e espero em 2022 que o cenário seja diferente. Precisamos refletir sobre a importância dessas pautas esquecidas”, acrescentou.

Perpétua ainda falou sobre a continuidade de suas lutas mesmo que todas as suas proposituras continuem sendo rejeitadas. “essa casa é um espaço de luta e cidadania. Precisamos refletir sobre a importância dessas pautas e mesmo que eu tenha, nos próximos três anos de mandato, todos os meus projetos negados, todas as proposições negadas, todas as emendas negadas, eu vou continuar usando a tribuna, e pedindo para que sejam aprovadas. Vou continuar respeitando as decisões contrárias às minhas, porque eu posso não concordar, mas sempre vou respeitar”, refletiu a Vereadora.

A Sessão chegou a ser suspensa devido a manifestação do público na galeria, mas em seguida retomada e concluída. O ato, que foi pacífico, além de ter contabilizado dezenas de participantes dos movimentos sociais, contou com a presença de professores, estudiosos de grupos de estudos, representantes de instituições e com carro de som, que ficou em frente a Câmara de Vereadores da cidade, desde antes do início da sessão até o término.

Comentários do Facebook